'CANOAS' A FILM BY TAMAR GUIMARAES AT OSCAR NIEMEYER'S CANOAS HOUSE IN RIO





Canoas (a film)
Tamar Guimaraes

Casa das Canoas is the house Oscar Niemeyer built for himself in the early 50s. Surrounded by remnants of the rainforest in the hills of the city of Rio de Janeiro the house floor plan appears to be a stage for sensuous display and erotic possibilities rather than a machine for living.

My intention is to research and produce a short 16mm film at the house in which the camera follows the preparations for a cocktail party - focusing on the servants, on the house maintenance and on the house itself.

Instead of housing for the masses, modernist architecture in Brazil was in most cases a luxury item for the wealthy, and the servants classes, an ubiquitous reality in the lives of Brazilian middle and upper classes, was and still is an inbuilt commodity in the pleasure machine which this architecture serves.

According to Richard J. Williams “during Kubitcheck’s presidency (Casa das Canoas) was a critical part of Rio’s cultural infrastructure, providing a regular setting for cocktails for visiting dignitaries and intellectuals. The erotic charge of the house was no doubt more imaginary than real, but equally, there is little doubt that it helped to contribute – along with the beaches and the floorshow of Copacabana, and the genuinely uninhibited revelry of Carnival – to the myth of Brazil as an erotic paradise. (...) The house in this scenario is far more than the European Modernists ever really envisaged. Far from being a ‘machine for living’, this is a riot of orgiastic pleasure.” (1)

My initial idea is to visually reproduce the accounts which helped to fuel and maintain the glamorous image of this indeed extremely beautiful house - the play of light, the curves, water, the Atlantic forest remnants which surround it, etc… For example the house as recounted by the architect Ernesto Rogers: “I doubt that I shall ever forget that scene: the sun was just dipping below the horizon, leaving us in the dark sea of orange, violet, green and indigo. The house repeated the themes of that orgiastic countryside (incense and the hum of insects); a vast rhapsody beginning in the roof vibrated down the walls and their niches to finish in the pool, where the water, instead of being neatly dammed up, spread freely along the rocks in a kind of forest pool.” (2)

Part of this project is to research on Niemeyer’s involvement with the Communist party and his views of what architecture can or cannot accomplish, as well as the conflicting meanings and purposes of modernist architecture within Brazilian society. These would be scripted as lines occasionally inserted in the dialogue between anonymous characters.

(1). ‘The Politics of Eros’, in Richard J. Williams’ Brazil: Modern architectures in history,
Reaktion Books, 2009
(2)/ ibid, (see longer extract below).

*****

Excerpt from ‘The Politics of Eros’, in Richard J. Williams’ Brazil: Modern Architectures in History, 2009:

For Lauro Cavalcanti (Casa das Canoas) is nothing less than “one of the most beautiful modern houses in the world.” He continues: “at the centre of the composition is a great rock, around which is developed the house and the pool… the flat roof links interior and exterior spaces, establishing a rich dialogue with the exuberant landscape of the Carioca sea and mountains. In this project Niemeyer resolves two of the great problems of glass houses: the invasion of sunlight and of the sight and sensation of excessive exposure to the night with an illuminated interior and dark exterior… bedrooms located in basement, protected from curious eyes, with access by means of a stair carved in the rock.”

In this account Cavalcanti describes most of the significant elements of the building: an extraordinary site, high up above the city in the mata atlantica, with views of the surrounding mountains and the sea; a building that plays constantly with ideas of public and private space, collapsing one into the other; a building that still provides areas of intimacy, hidden away from private view; a house that stages and spectacularizes the body, providing a grand terrace on which guests can see each other and be seen to the best effect; a great swimming pool, defining the entrance to the house from the rear – indeed the house, like the later, Californian archetype, seems to emerge from the pool. Perhaps Cavalcanti could also have mentioned the sculptures littered about the place. In the architect’s usual taste, these curvaceous nudes, all breasts and buttocks, make clear (if there was ever any doubt) this house was meant to frame a liberated attitude to sex.

*****

Oi Pablo,
I'm sending you the text I wrote sometime in April (above), prior to making the work. It's a bit out of date but some of it is still relevant.

Parte do projecto inicial era investigar sobre o envolvimento de Niemeyer no Partido Comunista e a sua visão do que a arquitectura pode ou não alcançar, bem como os conflitos de significados e propósitos da arquitetura modernista dentro da sociedade Brasileira. Estes seriam [scripted] como falas ocasionalmente inseridas no diálogo entre personagens anónimas. Mas no final das contas eu nao inseri essas falas do Niemeyer de forma explicita. O que fiz foi convidar pessoas que incorporam certos temas ou que tem uma pratica de pensar e lidar com certos assuntos (o consul frances, a Suely Rolnik, assim como artistas, escritores, curadores, cineastas, etc.). Eu convidei o secretario de cultura de Sao Paulo tambem, e ele se sentou comigo eu seu gabinete olhando o story board, mas no final nao pode ir ao Rio na data prevista. Convidei outras pessoas tambem, como Paulo Herkenhof, que tambem nao pode vir) para um coquetel a ser filmado de forma não muito especifica quanto ao tempo em que ele se passa (ha referencias dos anos 50 - a casa, dos anos 60 e 70 e do momento atual). Esse momento atual e' sugerido como um eco de um momento anterior, de '50 anos em 5', que foi o otimismo e a promessa de futuro dos anos 50. Esses convidados tambem fazem referencia ao que imagino teria sido o tipo de convidados que talvez possam ter frequentado a casa nos anos 50 - se bem que eu conversei com a Anna Maria Niemeyer (filha do Oscar Niemeyer) e ela disse que não se lembra de nenhuma festinha quando eles moraram la - entao o meu coquetel e' uma especie de fantasia e alegoria tambem. Em termos dos dialogos, no caso da Suely e da Maria eu pedi pra elas repetirem coisas que eu tinha ouvido elas falarem antes ou em palestras ou em pessoa, pedi pro consul frances reclamar da champagne e citei umas coisas (baile funk, pasta dionisiaca) que escutei numa Q&A after a talk at a Univesity in Rio.

Talvez por causa do petroleo encontrado, talvez por causa das olympiadas por vir, talvez porque o Brasil nao tenha sofrido com a crise financeira de forma tao obvia quanto os Estados Unidos ou Inglaterra por exemplo - mas ha uma euforia e um otimismo no momento que eu nunca vivi antes (e eu cresci durante a ditadura). Minha proposta foi fazer menção a esse otimismo assim tambem como ve-lo com um olhar critico e com algum humor.

*****

Tentei tambem responder as perguntas que Paulo Myada (da curadoria da 29a Bienal de São Paulo) me fez pro catalogo, e envio caso algo fique mais claro..

- Você fala em seu projeto preliminar sobre uma aproximação entre arquitetura moderna brasileira, sensualidade e desejo. Como o seu filme se relacionará com essa hipótese?

Tamar Guimarães: Minha ideia inicial é de reproduzir/repetir essa aproximação. Filmar é de alguma forma também ‘desejar’ e imbuir o que se filma com uma espécie de erotismo. Então reproduzindo os relatos sobre a casa (o modo como a casa foi descrita por seu hóspedes, ilustres ou não, por artigos de jornais e revistas, livros, etc...) eu estou ensaiando uma ‘reconstituição de eventos’, mesmo sabendo de antemão que um tanto de como se descreve a casa é mais imaginário do que possível.

Essa premissa do erotismo no modernismo tropical não é ideia minha, claro que não. E é ligado ao modo de se representar o Brasil para nós mesmos e para o mundo, que é também uma espécie de auto-exotismo - em que acreditamos ser 'ela - a bela mulher' que os investidores estrangeiros desejam.

Por outro lado esse auto-exotismo é também a premissa interna de um sentimento identitário e nacionalista - uma espécie de nostalgia por um ser formidável (esse ‘nós, bonitos, de pele dourada, cor de Ipanema, futebol na alma, cheios de futuro’ etc, etc...).

De uma certa forma o modernismo tropical - cool mas cheio de curvas, cheio de plantas exuberantes, cheio de promessas - é uma incorporação desse mito. E essa promessa é (era) de que o Brasil era um pais moderno, capaz de 50 anos de progresso em 5.

Mas sobre a imagem do Brasil como paraíso erótico, quando eu vou à praia aqui no Rio e olho para um lado e para o outro, com o sol reluzindo nas ondas, já fico meio sem saber o que é mito e o que é inegável...

- Interessa a você discutir como a forma da arquitetura interfere no modo como as pessoas usam um espaço?

TG: Isso é parte de minha pesquisa aqui em pré-produção para o filme e eu queria conversar com arquitetos brasileiros e historiadores da arquitetura brasileira sobre isso. Porque essa premissa do modernismo de que espaços definem, modelam e de alguma forma transformam o modo de viver das pessoas já não é vista com bons olhos desde que o modernismo supostamente ‘acabou’. E para alguns comentadores esse fim do modernismo tem até data: 16 de março de 1972 – o dia em que o Pruitt-Igoe Public Housing Project foi demolido em St.Louis, no Missouri. Só que esse fim da arquitetura modernista não aconteceu no Brasil da mesma forma, na mesma época (fim dos anos 1960 e inicio dos 1970). De qualquer forma me parece que Niemeyer não tem esse tipo de ilusão (não sei se teve, mas com certeza agora já não tem) de que espaços arquitetônicos transformariam o modo de viver das pessoas, e me parece também que ele teve que se reconciliar com seu posicionamento político (com carteira do partido comunista e tudo) junto ao fato de sua arquitetura ser uma coisa de elite no Brasil – um fetiche de classe média-alta.

- Existe em seu projeto a intenção de relacionar a arquitetura da Casa das Canoas com a ideologia de sua época no Brasil?

TG: Com certeza.

Segundo Momento

Segundo Richard J. Williams, 'durante a Presidência de Kubitschek (a casa das canoas) foi parte crítica na infraestrutura cultural do Rio, providenciando um cenário regular de cocktails para dignatários e intelectuais em visita. A carga erótica da casa foi sem dúvida mais imaginária que real, de todo o modo, restam poucas dúvidas de que ajudou a contribuir - junto com as praias e o calçadão de Copacabana e a folia desinibida do Carnaval - para o mito do Brasil como paraíso erótico.(...) A casa neste cenário é bem mais do que os Modernistas Europeus alguma vez imaginaram. Longe de ser uma “maquina para viver”, este é um motim de prazer orgiástico.'

TG: A princípio a minha intenção era pesquisar e produzir um filme curto de 16 mm na casa, no qual a câmera seguiria os preparativos para um cocktail – focando-se nos empregados, na manutenção da casa e na casa em si.

Meu argumento inicial era que, ao invés de habitação popular, a arquitetura modernista no Brasil foi, na maioria dos casos (e sei que há uma simplificação extrema em dizer isso, mas digo isso mesmo assim), um bem de luxo, enquanto as classes trabalhadoras, uma ubíqua realidade nas vidas das classes média e alta Brasileiras, era e ainda é uma comodidade embutida na máquina de viver e de prazer que essa arquitetura proporciona. E é justamente esse argumento que um dos convidados para o coquetel a ser filmado - a Maria Lobo - contradiz (com alguma razão) quando ela fala do Realengo e Pedregulho. Há muitas vozes no filme, e acho isso importante.

Parte de minha pesquisa aqui em pré-produção para o filme foi tentar entender um pouco a posição de Niemeyer em relação ao projeto utópico da arquitetura modernista. Me parece que Niemeyer não tem/teve esse tipo de expectativa (não sei se teve mas com certeza agora já não tem) de que espaços arquitetônicos transformariam o modo de viver das pessoas, e me parece também que ele teve que reconciliar seu posicionamento político (com carteira do partido comunista e tudo) junto ao fato de sua arquitetura servir à elite brasileira.

Então, uma pequena fração desse projeto inicial ainda esta presente, mas muita coisa mudou.

Há uma premissa de erotismo no modernismo tropical e isso não é ideia minha, claro que não. E é ligado ao modo de se representar o Brasil para nós mesmos e para o mundo, que é também uma espécie de auto-exotismo - em que acreditamos ser 'ela - a bela mulher' que os investidores estrangeiros desejam.

Por outro lado esse auto-exotismo é também a premissa interna de um sentimento identitário e nacionalista - uma espécie de nostalgia por um ser formidável (esse ‘nós, bonitos, de pele dourada, cor de Ipanema, futebol na alma, cheios de futuro’ etc etc).

De uma certa forma o modernismo tropical - cool mas cheio de curvas, cheio de plantas exuberantes, cheio de promessas - é uma incorporação desse mito. E essa promessa é (era) de que o Brasil era um pais moderno, capaz de 50 anos de progresso em 5.

Mas sobre a imagem do Brasil como paraíso erótico, quando eu vou à praia no Rio e olho pra um lado e pro outro, com o sol reluzindo nas ondas, já fico meio sem saber o que é mito e o que é inegável...

Me parece também que no Brasil, no momento, há uma espécie de eco com o otimismo dos anos 50 - uma euforia em relação ao futuro. Por isso uso a casa e a situação também como um espaço pra fazer esse eco reverberar.

Então convidei pessoas para um coquetel a ser filmado (gente que eu gosto, gente que eu admiro de longe, gente com quem não concordo ou que nem conheço bem, gente que eu fiquei conhecendo há pouco) mas sobretudo gente que tem uma prática de pensar sobre o emaranhado do contexto social/político do Brasil e/ou que façam parte da cena cultural atual. Esse coquetel foi filmado de forma não muito específica quanto ao tempo em que ele se passa (há referencias dos anos 50 - a casa, dos anos 60 e 70 e do momento atual).

Não há uma trama e sim fragmentos em fluxo. Como disse antes, uso a casa como uma espécie de câmera de ecos, onde nosso passado recente (do trauma da ditadura militar) interroga o momento de otimismo do presente. E muito desse filme se deve a presença super generosa de muita gente, que foi pra esse 'coquetel' e passou a noite toda lá, de copo na mão, fazendo tudo acontecer.

Mas, mais do que a casa, me interessam as relações entre as pessoas na casa - o dançar, às vezes meio alienado, às vezes com alguma presença, quem naufraga e quem nada até a praia, etc.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...